Vida Após o Capitalismo [Quatro Futuros – Conclusão]

[“Crise climática”, “mudanças ambientais”, “robôs inteligentes”, “robôs tomando empregos”: os impactos da Crise Climática e de novas tecnologias de Automação de postos de trabalho para o nosso futuro comum vêm sendo cada vez mais discutidos. Se os avanços tecnológicos da “Quarta Revolução Industrial” (em especial em campos como Inteligência Artificial, Robótica avançada, fabricação aditiva, etc) forem o suficiente para automatizarmos a maior parte das atividades que hoje são empregos, reduzindo a um mínimo a necessidade de trabalho humano, a produção de mercadorias através de trabalho assalariado estará superada – e, portanto, estaremos falando do fim do Capitalismo; a questão então é o que virá depois. Será que a possibilidade de toda essa automação é o bastante para garantir que ela vai ocorrer? Qual seria o impacto disso sobre as vidas das pessoas? Como as questões ambientais/climáticas entram nesse quadro? E as relações de propriedade e produção capitalistas e a Política, especificamente a Luta de Classes? Que tipo de cenários podemos esperar à partir do fim do Capitalismo?]

por Peter Frase, em Four Futures: Life After Capitalism [‘Quatro Futuros: Vida Após o Capitalismo’]

quatro-futuros

Parte da imagem de capa do áudio cd do livro Four Futures: Life After Capitalism

[Segue abaixo a conclusão do livro de Peter Frase “Four Futures: Life After Capitalism” (‘Quatro Futuros: Vida Após o Capitalismo’)Publicado em 2016, o livro expande as ideias contidas no artigo original de 2011, “Quatro Futuros“. Ambos tentam imaginar as possibilidades de futuro após o fim da produção de mercadorias através de trabalho assalariado e, com isso, do Capitalismo – partindo dos enormes avanços tecnológicos atuais e dos mais prováveis nas próximas décadas e imaginando que, no limite, essas tendências poderiam reduzir a um mínimo ou eliminar a necessidade de trabalho humano. O centro do argumento é que se chegarmos nesse ponto, o aspecto da sociedade vai depender basicamente de dois eixos principais: das futuras condições materiais (escassez ou abundância de recursos naturais e de fontes de energia limpa para os sistemas automatizados) e políticas (mais igualdade ou mais hierarquia, dependendo do sucesso ou do fracasso dos esforços das Esquerdas em domar a desigualdade e as hierarquias da sociedade atual). Da combinação de possibilidades nesses dois eixos temos os quatro futuros que o autor descreve, com o apoio de imagens da ficção científica e buscando as características de cada futuro em aspectos já verificados em nossa sociedade atual: Igualdade e Abundância (“Comunismo”), Igualdade e Escassez (“Socialismo”), Hierarquia e Abundância (“Rentismo”), Hierarquia e Escassez (“Exterminismo”) – basicamente, estamos falando de “dois socialismos” e “duas barbáries”. O livro assume aqui que se tratam de tipos ideais, de versões limites, de horizontes que provavelmente nunca aconteceriam como versões “puras”, mas que mesmo assim valem a reflexão sobre para quais direções estamos caminhando e o que podemos acabar construindo no caminho.

Antes do texto de conclusão, incluímos abaixo os links para os capítulos anteriores do livro.]

Continuar lendo

Anúncios

Comunismo Verde Totalmente Automatizado

[O desafio das mudanças climáticas precisa de uma resposta à altura, que reconheça a sua dimensão, amplitude e a necessidade de mudanças profundas em nossas tecnologias, relações de produção, relações com a natureza, em nosso dia-a-dia e em nossas visões de mundo. Felizmente, depois de décadas de dominação quase absoluta do “realismo capitalista” e de suas propostas vazias de respostas à crise climática via mercado, vai se abrindo o espaço para uma proposta “populista” pela construção de uma alternativa radical que abrace a expansão e a democratização das tecnologias de energias renováveis, robótica fina, inteligência artificial, e produção aditiva como um projeto político a ser disputado, para a construção de uma sociedade focada na sustentabilidade e na socialização da abundância, do lazer, do bem-estar e da maior disponibilidade de tempo para as mais diversas atividades.]

por Aaron Bastani, na Novara Media, Novembro de 2017

green-communism5

Continuar lendo

Exterminismo: ‘Solução Final’ Num Futuro Automatizado de Desigualdade e Escassez

[A cada semana somos bombardeados por notícias sobre avanços tecnológicos assombrosos, que prometem diminuir, e muito, a necessidade de trabalho humano nas mais diversas atividades. De fato, podemos imaginar que em algum momento no futuro teremos a necessidade de muito pouco trabalho humano na produção de mercadorias. Mas e se chegarmos nesse ponto ainda divididos entre podres de ricos e “a ralé”? E se os recursos naturais de energia e de matérias-primas não forem o bastante para garantir uma vida luxuriante para todos? E se, do ponto de vista dos abastados, os ex-trabalhadores passarem a representar apenas um “peso inútil”, ou até mesmo, um risco “desnecessário”? No último capítulo sobre possíveis futuros automatizados com o fim do Capitalismo, somos confrontados por uma distopia de desigualdade e crueldade cujas raízes já podemos notar em muitas tendências atuais.]

por Peter Frase, em “Quatro Futuros: Vida Após o Capitalismo” [“Four Futures: Life After Capitalism]

exterminismo

Continuar lendo

Rentismo: Um Futuro Automatizado de Abundância Bloqueada Pela Desigualdade

[Na penúltima parte da série sobre possíveis futuros após o fim do Capitalismo, – com o fim do uso de trabalho humano assalariado na produção de mercadorias, extrapolando as tendências atuais de aplicação de tecnologias como Inteligência Artificial, Robótica, Fabricação Aditiva, Nanotecnologia, etc – encaramos uma distopia em que as elites do sistema capitalista atual têm sucesso em manter seus privilégios e poderes, usando patentes e direitos autorais para bloquear e restringir para si o que poderia ser o livre-acesso universal à abundância possibilitada pelas conquistas do conhecimento humano num cenário em que a própria escassez poderia ser deixada para trás.]

por Peter Frase, em “Quatro Futuros: Vida Após o Capitalismo” [“Four Futures: Life After Capitalism]

anti-star-trek-3

Continuar lendo

Socialismo Como Futuro Automatizado e Igualitário em Resposta à Crise Ambiental

[Se os avanços tecnológicos da Quarta Revolução Industrial (em campos como Inteligência Artificial, Robótica avançada, fabricação aditiva, etc) forem o suficiente para automatizarmos a maior parte dos empregos, reduzindo a um mínimo a necessidade de trabalho humano, a produção de mercadorias através de trabalho assalariado estará superada – e, portanto, também o capitalismo. Se isso for alcançado em uma sociedade mais igualitária, democrática, sustentável e racional, ainda assim é possível que teremos de nos organizar para lidar com o estrago deixado no planeta pelo sistema capitalista, planejando, executando e administrando  projetos gigantescos de reconstrução, geo-engenharia e racionamento de recursos limitados. Em outras palavras, provavelmente ainda precisaremos de algum tipo de Estado.]

por Peter Frase, em “Quatro Futuros: Vida Após o Capitalismo” [“Four Futures: Life After Capitalism]

ecossocialismo-2

Continuar lendo

Democratizar Isso

Os planos do Partido Trabalhista inglês para buscar modelos democráticos de propriedade são o aspecto mais radical do programa de Corbyn, e um dos mais radicais que temos visto na política dominante em muito tempo.

por Michal Rozworski, na Revista Jacobin, Junho de 2017

229903286_4acfaa65fc_o1

Rohit Mattoo | Flickr

Continuar lendo

Sobre Capitalismo [Leituras Temáticas #1]

Por que tanta gente vive criticando o Capitalismo? Esse não é o sistema mais livre e justo que já existiu e que pode existir? Não são apenas trocas entre pessoas livres? Afinal de contas, do que se trata esse sistema e quais são os problemas e contradições que seus críticos apontam? Por que tanta gente sonha em vê-lo substituído por uma outra forma de organização da sociedade?

stevecutts-6

Ilustração: Steve Cutts | http://www.stevecutts.com/


[Esta página é a primeira de uma nova série com recomendações de leituras (principalmente aqui n’O Minhocário, mas também em outros espaços) para analisarmos melhor algum tema, em seus diversos aspectos. Estas páginas serão continuamente atualizadas com novas recomendações para expandir as discussões. É também uma forma de organizar as postagens anteriores aqui do blog para facilitar o acesso por tema.]

Continuar lendo →

Rumo a uma Sociedade Pós-Trabalho

A ‘Política do Tempo’ oferece uma resposta à atual crise do trabalho, nos convidando a falar sobre as condições para a liberdade e o tipo de sociedade em que queremos viver. É uma oportunidade para finalmente cumprir a promessa original do desenvolvimento produtivo do capitalismo: nos permitir desfrutar coletivamente de mais tempo livre, para explorar essas aptidões e aspectos de nós mesmos que muitas vezes ficam marginalizados em um mundo centrado no trabalho. “Precisamos tomar de volta o futuro das mãos do capitalismo e construir, nós mesmos, o mundo do século XXI que queremos.”

por David Frayne, na revista Roar, Junho de 2016

postwork-1

Imagem: Mirko Rastic | Roar Magazine

Continuar lendo

Renda Básica e o Futuro do Trabalho

“Não existe algo como a ‘dignidade do trabalho’. Não é o direito ao emprego, mas a uma existência material garantida que dá dignidade à vida humana.”

por David Raventós e Julie Wark, Revista Roar, Junho de 2016

income-2

Imagem: Mirko Rastic | Roar Magazine

Continuar lendo

Os Robôs Vão Tomar Seu Emprego?

“Com a automação causando ou não uma devastação nos empregos, o futuro do trabalho sob o capitalismo parece cada vez mais sombrio. Precisamos agora olhar para horizontes pós-trabalho.”

por Nick Srnicek & Alex Williams, Revista Roar, Junho de 2016

automation2

Imagem: Mirko Rastic | Roar Magazine

Continuar lendo