De Volta ao Debate Sobre o Planejamento Socialista – Cálculo, Complexidade e Planejamento

Este artigo oferece uma reavaliação do debate sobre o cálculo socialista e examina até que ponto as conclusões desse debate deveriam ser modificadas sob a luz do desenvolvimento subsequente da teoria e da tecnologia da computação. Após uma introdução às duas principais perspectivas sobre o debate que foram oferecidas até o momento, examinamos o argumento clássico de von Mises contra a possibilidade de cálculo econômico racional sob o socialismo. Discutimos a resposta dada por Oskar Lange, junto dos contra-argumentos à Lange do ponto de vista austríaco. Finalmente, apresentamos o que chamamos de “resposta ausente”, isto é, uma reafirmação do argumento marxiano clássico por um cálculo econômico em termos de tempo de trabalho. Argumentamos que o cálculo por tempo de trabalho pode ser defendido como um procedimento racional, quando complementado por algoritmos que permitam que a escolha dos consumidores guie a alocação de recursos, e que tal cálculo é tecnicamente viável com o tipo de maquinário computacional atualmente disponível no Ocidente, com uma escolha cuidadosa de algoritmos eficientes. Nossa argumentação vai no sentido oposto das discussões recentes sobre planejamento econômico, que continuam afirmando que a tarefa seria de complexidade insolucionável.

Paul Cockshott e Allin Cottrell, 1993 (2004, 2008)

debate-calculo-socialista-3-2

Montagem baseada em ilustração de Carlos Arrojo

Continuar lendo

Anúncios

Educação, Empreendedorismo, e Produtividade Individuais de Um Povo Realmente Explicam o Desenvolvimento de Um País?

por Ha-Joon Chang

educacao

colagem de Ruben Martinho

[Nota do Minhocário: Os artigos abaixo lidam com 3 dos mitos que mais ouvimos (principalmente nas últimas décadas) para justificar a situação de subdesenvolvimento dos países mais pobres e dependentes, e para justificar a razão pela qual os países mais ricos teriam alcançado o seu nível de desenvolvimento: o nível da educação, a cultura empreendedora e a produtividade individual dos cidadãos desses países.]

Continuar lendo

Geoengenharia Para o Povo: Todos os Meios que Forem Necessários

Precisamos de uma visão abrangente de reconstrução ecológica – e isso significa ter a geoengenharia como parte de nossa visão.

por Peter Frase, na Revista Jacobin

geo-engenharia

Continuar lendo

Vida Após o Capitalismo [Quatro Futuros – Conclusão]

[“Crise climática”, “mudanças ambientais”, “robôs inteligentes”, “robôs tomando empregos”: os impactos da Crise Climática e de novas tecnologias de Automação de postos de trabalho para o nosso futuro comum vêm sendo cada vez mais discutidos. Se os avanços tecnológicos da “Quarta Revolução Industrial” (em especial em campos como Inteligência Artificial, Robótica avançada, fabricação aditiva, etc) forem o suficiente para automatizarmos a maior parte das atividades que hoje são empregos, reduzindo a um mínimo a necessidade de trabalho humano, a produção de mercadorias através de trabalho assalariado estará superada – e, portanto, estaremos falando do fim do Capitalismo; a questão então é o que virá depois. Será que a possibilidade de toda essa automação é o bastante para garantir que ela vai ocorrer? Qual seria o impacto disso sobre as vidas das pessoas? Como as questões ambientais/climáticas entram nesse quadro? E as relações de propriedade e produção capitalistas e a Política, especificamente a Luta de Classes? Que tipo de cenários podemos esperar à partir do fim do Capitalismo?]

por Peter Frase, em Four Futures: Life After Capitalism [‘Quatro Futuros: Vida Após o Capitalismo’]

quatro-futuros

Parte da imagem de capa do áudio cd do livro Four Futures: Life After Capitalism

[Segue abaixo a conclusão do livro de Peter Frase “Four Futures: Life After Capitalism” (‘Quatro Futuros: Vida Após o Capitalismo’)Publicado em 2016, o livro expande as ideias contidas no artigo original de 2011, “Quatro Futuros“. Ambos tentam imaginar as possibilidades de futuro após o fim da produção de mercadorias através de trabalho assalariado e, com isso, do Capitalismo – partindo dos enormes avanços tecnológicos atuais e dos mais prováveis nas próximas décadas e imaginando que, no limite, essas tendências poderiam reduzir a um mínimo ou eliminar a necessidade de trabalho humano. O centro do argumento é que se chegarmos nesse ponto, o aspecto da sociedade vai depender basicamente de dois eixos principais: das futuras condições materiais (escassez ou abundância de recursos naturais e de fontes de energia limpa para os sistemas automatizados) e políticas (mais igualdade ou mais hierarquia, dependendo do sucesso ou do fracasso dos esforços das Esquerdas em domar a desigualdade e as hierarquias da sociedade atual). Da combinação de possibilidades nesses dois eixos temos os quatro futuros que o autor descreve, com o apoio de imagens da ficção científica e buscando as características de cada futuro em aspectos já verificados em nossa sociedade atual: Igualdade e Abundância (“Comunismo”), Igualdade e Escassez (“Socialismo”), Hierarquia e Abundância (“Rentismo”), Hierarquia e Escassez (“Exterminismo”) – basicamente, estamos falando de “dois socialismos” e “duas barbáries”. O livro assume aqui que se tratam de tipos ideais, de versões limites, de horizontes que provavelmente nunca aconteceriam como versões “puras”, mas que mesmo assim valem a reflexão sobre para quais direções estamos caminhando e o que podemos acabar construindo no caminho.

O autor enfatiza que escreveu o livro como uma resposta aos muitos textos e livros que têm surgido com uma visão tecnocrática sobre as consequências da automação, como se ela fosse, por si só, gerar um mundo de mais liberdade e bem-estar para todos. A mensagem é clara: os benefícios esperados não são automáticos, eles dependem de outras variáveis, principalmente dos efeitos das mudanças climáticas e do resultado da luta política no núcleo do Capitalismo (a famosa luta de classes entre os donos dos meios de produção e as pessoas que precisam vender seu tempo de trabalho a eles).

Antes do texto de conclusão, incluímos abaixo os links para os capítulos anteriores do livro.]

Continuar lendo

Elon Musk Não é O Futuro

Os dirigentes das grandes empresas de tecnologia estão nessa apenas por eles mesmos, não pelo bem público.

por Paris Marx, em seu Medium (como “As “Inovações” de Elon Musk Não São O Futuro – Elas Estão Nos Atrasando”),
e na Revista Jacobin, Janeiro de 2018

elon-musk-nao-eh-o-futuro

Continuar lendo

Tecnologia e Ecologia Como Apocalipse e Utopia

[Muito se tem falado sobre os impactos da Crise Climática e de novas tecnologias de Automação de postos de trabalho para o nosso futuro em comum. Como as relações de propriedade e produção capitalistas e a Política, especificamente a Luta de Classes, se encaixam neste quadro? Será que a possibilidade de automação quase generalizada seria o bastante para garantir que ela ocorrerá? Qual seria o impacto dela sobre as condições de vida das pessoas? Com base nesses elementos, que tipo de cenários podemos esperar à partir do fim do Capitalismo?]

por Peter Frase, em “Quatro Futuros: Vida Após o Capitalismo” [Four Futures: Life After Capitalism”]

brutalist1

fonte: nastassiaxv.tumblr.com/post/4130548142

Dois espectros assombram a Terra no século XXI: os espectros da catástrofe ecológica e da automação. Continuar lendo

Todo Poder aos “Espaços de Fazedores” [1]

A impressão 3-D em sua forma atual pode ser um retorno às obrigações enfadonhas do movimento “pequeno é belo”, mas tem o potencial para fazer muito mais.

por Guy Rundle, na Revista Jacobin, março de 2015

rundle

Abaixo dos laboratórios e dos escritórios do prédio de materiais da Michigan Tech, em um enorme porão, um jovem físico chamado Josh Pearce [2] está fazendo um filtro de água ao custo de cinco centavos de dólar. Ou melhor, está sendo feito para ele por uma impressora 3-D [3] zunindo de um lado para outro através de uma mesa aquecida, com um notebook dizendo ao bico em que direção se mover.

Continuar lendo

Bill Gates, Socialista? [1]

Bill Gates está certo: o setor privado está sufocando a inovação em energias limpas. Mas esse não é o único lugar em que o Capitalismo está nos limitando.

por Leigh Phillips, na Revista Jacobin, dezembro de 2015

Bill Gates, o titã da tecnologia original e homem mais rico no mundo, anda por aí dizendo para praticamente qualquer um que o ouvir que o Livre-Mercado é terrível para a inovação.

Parece que tudo começou em 2010, quando ele reclamou para as plateias do TED Talks [2] sobre os “níveis ridiculamente baixos” de gastos governamentais em pesquisas básicas em energias renováveis, uma frase que ele vem repetindo em vários locais.

Continuar lendo

Contando Com os Bilionários

Filantropo-capitalistas como George Soros querem que acreditemos que eles podem remediar a miséria econômica que eles mesmos criam.

por Japhy Wilson, na Revista Jacobin, março de 2015

GeorgeSorosBlackandWhite

Filantropo-Capitalismo é a mais recente promessa [1] do desenvolvimento internacional. Ao contrário dos filantropos tradicionais, que ficavam contentes em assinar cheques em nome de boas causas, “filantropo-capitalistas” como Bill Gates e George Soros supostamente tem transformado a ajuda ao desenvolvimento através da infusão de princípios de negócios como inovação, eficiência e empreendedorismo [2].

Continuar lendo

Inovação Vermelha

Longe de sufocar a inovação, uma sociedade Socialista colocaria o progresso tecnológico a serviço das pessoas comuns.

por Tony Smith, na Revista Jacobin, março de 2015

smith

O dinamismo tecnológico do Capitalismo tem sido sempre um poderoso argumento em sua defesa. Mas um de seus segredos é que no coração desta transformação não encontramos empreendedores ousados, capitalistas de risco [1], nem empresas estabelecidas.

Continuar lendo